Autor Tópico: A Mente  (Lida 4814 vezes)

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
A Mente
« em: Dezembro 07, 2008, 19:15:33 pm »
Olá amigos!

Este é um tópico que felizmente muitos conhecem !
Vou relembrar alguns conhecimentos (é bom que estejam sempre presentes).

A MENTE


                                                                                          (contém extractos de S. Sivananda)

Enquanto a luz viaja a cerca de 300.000 km por segundo, o pensamento é quase instantâneo.
O pensamento é semelhante a um receptor de rádio. Um Santo que tenha paz, equilíbrio, harmonia e boa vibração espiritual, difunde pelo mundo pensamentos de harmonia e paz.
Em contraste com isto, a mente que alimenta pensamentos de ódio, inveja e vingança, difunde pensamentos desse tipo que entram na mente de milhares de pessoas, nelas suscitando pensamentos iguais de ódio e discórdia.
Estamos cercados por um oceano de pensamentos. Flutuamos nesse oceano de pensamentos. Ora estamos absorvendo alguns, ora estamos rejeitando outros no meio desse mundo de pensamentos.




Cada pensamento é acompanhado pela vibração da matéria do plano mental. Quanto mais forte for o pensamento, mais rapidamente ele frutifica.




O pensamento é uma força dinâmica, causado pelas vibrações da matéria mental, impressionando o cérebro. É uma força como a gravitação, coesão e repulsão. O pensamento viaja e move-se.
É a mente que capta, germina e dá força ao pensamento, criando todas as ilusões deste mundo.
Destrua os pensamentos assim que eles surjam. E a meditação acontecerá.
Isto exige enorme perseverança. Quando todos os pensamentos forem extirpados, você mergulhará num oceano de bem - aventurança. Este estado é indescritível. Terá que senti-lo você próprio.
Assim como o fogo é reabsorvido pela própria fonte quando o combustível se consome, assim também a mente é reabsorvida pela sua fonte, o Eu, quando todos os pensamentos são eliminados. Então consegue-se atingir a experiência da Realidade Infinita, o estado de absoluta independência.


Cada pensamento é o índice da mente. Cada pensamento marca um sulco no rosto. Um pensamento divino ilumina o rosto. Pensamentos divinos contínuos aumentam a aura sobre a cabeça, ou halo. O rosto é o molde da Mente.
Maus pensamentos aumentam a profundidade das impressões sombrias, assim como batidas repetidas de um balde contra as paredes de um poço, quando se tira água, vão amassando o balde. O rosto é um espelho reflector do estado da mente, num determinado momento.

 Os pensamentos de preocupação e medo são formas terríveis dentro de nós mesmos:

-   Envenenam a própria fonte da vida;
-   Destroem a harmonia;
-   A eficiência da acção;
-   A vitalidade e o vigor.

Enquanto os pensamentos opostos de bom humor, alegria e coragem:

-   Curam;
-   Acalmam, em vez de irritar;
-   Aumentam enormemente a eficiência.


Tente manter o bom humor. Sorria! :D



O pensamento exerce influência sobre o corpo. A tristeza enfraquece o corpo. O corpo também influencia a mente. Quando o corpo adoece, a mente também enfraquece. Se o corpo é saudável é mais fácil ter uma mente sã.


    Ataques violentos de mau humor produzem: >:(

   Danos sérios nas células do cérebro,
   Espalham produtos venenosos no sangue;
   Causam um choque generalizado;
   Depressão;
   Suprimem a secreção do suco gástrico, bílis, etc, nos canais digestivos;
   Esgotam a energia e vitalidade;
   Provocam velhice prematura;
   Encurtam a vida.
                           
                           


Quando você se zanga a sua mente fica perturbada. Assim, também, quando a sua mente se perturba, o seu corpo sente distúrbios. Todo o sistema nervoso se agita. Você enerva-se. Controle a raiva pelo Amor! A raiva é uma energia poderosa que atinge destruidora mente aquele a quem é dirigida.



Só conhecendo a natureza da mente e os pensamentos poderá o homem neutralizar as forças hostis e as correntes antagónicas. Como o peixe nada contra a corrente, ele enfrentará as correntes hostis, adaptando-se adequadamente e resguardando-se pelo uso de pensamentos positivos, oração e meditação.

De contrário torna-se um escravo! Será atirado indefeso de um lado para outro pelas diversas correntes. Perderá totalmente a direcção como um pedaço de madeira atirado a um rio! Sentir-se-á sempre triste e infeliz, ainda que seja rico e possua tudo.
Transforme-se numa encarnação de bom humor! Pense bem de todos! Faça sempre boas acções!
                         SIRVA              _                 AME                  _                      DÊ !

Faça os outros felizes!
Viva para servir!
Então colherá felicidade!
Circunstâncias ou oportunidades e meios favoráveis aparecerão!


Se ferir os outros, se espalhar escândalos, intrigas, calúnias, mexericos, se explorar as pessoas, se adquirir ilegalmente a propriedade alheia,
SE, POR QUALQUER ACTO, FIZER SOFRER ALGUÉM, VOCÊ COLHERÁ DOR : :'(

      
Circunstâncias ou oportunidades e meios desfavoráveis serão o seu quinhão!
Esta é a lei do pensamento e da Natureza.


Uma pessoa com discernimento é cuidadosa, vigilante.
EXAMINE SEMPRE CAUTELOSAMENTE OS SEUS PENSAMENTOS!

Nunca permita que um mau pensamento passe os portões da sua fábrica Mental. Corte-o pela raiz!


Pela sua boa maneira de pensar, pelo exame da qualidade dos seus pensamentos, pela introspecção, a pessoa com discernimento constrói um carácter nobre e molda o seu grande destino. Fala pouco! As suas palavras são amorosas e doces. Nunca magoa os sentimentos alheios.
Cria nela própria a paciência, a misericórdia, o amor Universal.
Tenta dizer sempre a verdade! Assim corrige os impulsos da fala. Usa palavras sensatas!
Não Critica Ninguém!
Escreve coisas sensatas.
Impressiona Positivamente as Mentes dos Outros!
Pratica a Pureza no Pensamento, Palavra e Acção!
Tenta manter um equilíbrio mental saudável em si e nos outros, e estar sempre de bom humor.
É Incapaz de Pensar e de Agir Mal!



Pensar só nas coisas materiais significa dor. A servidão e o apego são criados pela própria mente.

Enquanto a mente que pensa mais nas coisas espirituais se encaminha para a Libertação!


MOSTRE TODA A SUA FORÇA NA TAREFA DE CONQUISTAR A SUA MENTE!



um abraço
maria
« Última modificação: Dezembro 07, 2008, 19:53:28 pm por maria »

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
Re: A Mente
« Responder #1 em: Dezembro 08, 2008, 19:12:57 pm »

Queridos amigos




Isto é verdadeira bravura!



Tenha cuidado com os pensamentos!
Todo o pensamento é um bumerangue.
Tudo o que a sua mente enviar, volta para si.
Se odeia alguém – esse ódio será devolvido!
Se ama – esse amor será restituído!

   

Um mau pensamento é tripla mente maligno
1º- Prejudica o pensador, fazendo mal ao seu corpo mental;
2º- Prejudica a pessoa visada;
3º- Prejudica toda a humanidade, viciando toda a atmosfera mental.

E o carma não se fará esperar!

Todo o mau pensamento é uma espada desembainhada sobre a pessoa visada.
Se você alimenta pensamentos de ódio, na realidade já é o assassino da pessoa contra quem dirige os seus pensamentos.
E estará cometendo suicídio porque esses pensamentos ricocheteiam sobre você mesmo.

A mente cheia de maus pensamentos age como um pólo magnético que atrai pensamentos semelhantes de outros, e assim sucessivamente.
Maus pensamentos atirados na atmosfera mental envenenam outras mentes receptivas. Alimentar e conservar um mau pensamento aos poucos despe o seu pensador do horror desse pensamento e impele-o a cometer um acto que o concretize.


Os pensamentos são como as ondas do  mar. São inúmeros. A princípio, você pode ficar desesperado, tentando meditar e dominá-los.
Alguns são fáceis de afastar, enquanto outros jorram como uma torrente.

Os mesmos velhos pensamentos que você conseguiu certa vez afastar, podem voltar depois de algum tempo. Mas nunca desanime! Porque você, sem dúvida, vai adquirindo força espiritual. E no fim tem que vencer! Todos os yogues antigos, todos os meditantes, encontraram e encontram as mesmas dificuldades que você está enfrentando neste momento.
O processo da destruição das modificações mentais é longo e difícil. Todos os pensamentos não podem ser destruídos em dois dias. Mas não abandone a luta a meio do processo, quando tiver que enfrentar dificuldades.
A sua primeira tentativa deve ser a de diminuir os seus desejos e apegos. Diminua-os e então os pensamentos serão eliminados.



Buda declarou: “Tudo o que somos é feito dos nossos pensamentos “.
São eles que causam o processo de Reencarnação! Por isso devemos tentar purificá-los.
Quando procuramos e conseguimos aproximar-nos de um sábio, sentimos uma calma maravilhosa; mas se estivermos em companhia de uma pessoa egoísta. má ou com uma mente perturbada e forte, sentimo-nos mal. Isto porque as vibrações de calma e de paz emanam da aura do sábio; enquanto que da aura do egoísta emanam vibrações de maus pensamentos.


A qualidade e natureza do pensamento determinam a sua forma e cor. Uma forma de pensamento tem força própria durante certo tempo. Uma forma azul denota devoção. O amarelo intelectualidade. O dourado sabedoria. O azul claro com branco denota renúncia. O castanho acinzentado é egoísmo. O laranja é orgulho. O vermelho é ira e rancor.
Sobre este campo não nos vamos alongar, por estar o assunto profundamente desenvolvido no livro.”Formas de Pensamento “ de  Leadbeater.


Precisamos sublinhar a importância palpável de uma mente iluminada, sobre outra de nível inferior. Não é possível descrever o que significa estar na presença de um Mestre, ou dum Adepto desenvolvido.
Sentar perto dele, ainda que ele não diga nada, faz-nos sentir uma sensação extraordinária e descobrir o impacto de novas inspirações que nos surgem na nossa mente.

A mente possui aura. É um brilho ou halo que emana do fenómeno da mente. Naqueles que desenvolvem o seu mental superior notaremos um brilho extraordinário.
Têm a capacidade de percorrer longas distâncias, de afectar, da maneira mais benéfica possível, um grande número de pessoas que gozam do privilégio de estar sob a sua influência.


As pessoas de mau humor atraem para si coisas más e maus pensamentos de outras pessoas.
As pessoas com esperança, confiança, bom humor e devoção atraem pensamentos alheios, de semelhante natureza.
As pessoas negativas, com depressão, rancor, ódio, realmente prejudicam os outros. Contagiam os outros e fazem frutificar essa destruição nos outros. Criam carma.
Produzem enormes danos no mundo do pensamento.
As pessoas alegres e de bom humor, são um bálsamo para a sociedade.
Espalham felicidade á sua volta,


O pensamento realmente sai da mente e paira fora do indivíduo. Quando um pensamento, bom ou mau, sai da mente de alguém, produz vibrações na atmosfera mental, que partem logo em várias direcções.
Também penetra na mente dos outros. Um sábio que vive numa gruta dos Himalaias pode transmitir um pensamento poderoso para um recanto da América.





Quem tenta purificar-se está, de facto, purificando o mundo e ajudando-o de um modo geral. Ninguém pode impedir que os seus pensamentos saiam e sejam captados pelos que realmente os desejam.

Os Mestres encarnados e desencarnados, transmitem as suas mensagens a aspirantes dignos delas, em qualquer parte do mundo, através da telepatia.
Este meio de comunicação é absolutamente normal para um yogue.


Você pode ajudar um amigo em dificuldades, transmitindo do lugar onde está, pensamentos consoladores. Pode ajudar o amigo em busca da verdade, com pensamentos claros e definidos das verdades que você já conhece.

Se mandar um pensamento de amor para outra pessoa, este sairá do seu cérebro, irá directamente até à dita pessoa e irá provocar um estímulo de pensamento semelhante, que depois voltará a si com força redobrada.

Se fizer o contrário, enviando maus pensamentos a alguém, não só voltarão a si com força redobrada, pela maior facilidade com que todos desenvolvem os pensamentos negativos, como será o assassino premeditado do ponto de vista cármico.


Muitos pais, quando as crianças choram ou não querem dormir, amedrontam-nas de várias maneiras, como por ex. “Olha o Papão!”,”Se não estiveres quieto ele leva-te”!. Estas sugestões são muito prejudiciais. A criança fica cheia de temores.

As mentes infantis são tenras, maleáveis e impressionáveis. Ficam indelevelmente marcadas.

Quando crescem torna-se impossível mudar ou apagar essas marcas do subconsciente, afectando todo o seu comportamento de adulto e o resto da sua vida.

Os pais devem inculcar coragem na mente dos seus filhos! Devoção e respeito pela Vida Universal!

Quando elas crescem, todas estas qualidades são fortalecidas por estímulos externos adicionais.



Um abraço
maria

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
Re: A Mente
« Responder #2 em: Dezembro 09, 2008, 21:11:23 pm »

Queridos amigos!

Se cultivar pensamentos vigorosos, o seu corpo será também vigoroso. Pensamentos de amor, de paz, da Divindade farão você e outros à sua volta divinos.


Um pensamento sublime eleva a mente e dá expansão ao coração.

Um pensamento mesquinho e vil excita a mente e torna os sentimentos mórbidos e negros.
Aqueles que dominam a sua mente têm um rosto calmo, sereno e encantador, voz doce e os olhos serão brilhantes e límpidos.


 
Cada pensamento, emoção ou palavra produz uma forte vibração nas células do corpo e deixa nelas uma impressão marcante.
Um pensamento de amor neutralizará imediatamente um pensamento de ódio. 
Um pensamento de coragem servirá instantaneamente de poderoso antídoto para um pensamento de medo.

Um homem semeia um pensamento e colhe uma acção.
Semeia um acto e colhe um hábito.
Semeia um hábito e colhe um carácter.
Semeia um carácter e colhe um destino.


Gente ignorante diz: “Se fui destinado pelo meu carma a ser assim, porque me hei-de esforçar? É este o meu destino.”
Isto é fatalismo. Traz como consequência a inércia, a estagnação e a miséria. É uma incompreensão total das leis do carma.
Uma pessoa inteligente certamente não falará assim. Você criou o seu próprio destino anteriormente, pelos seus pensamentos e suas acções.
Você é dotado de livre arbítrio para escolher no momento presente.
Um canalha não será eternamente um canalha. Coloque-o na companhia de um santo. Ele mudará rapidamente.
Você pode tornar-se um yogue ou discípulo. Pode refazer o seu destino. Pode criar o seu carma futuro da maneira que lhe agradar.
Pense nobremente. Aja nobremente. Se o quiser,  pode tornar-se um Sábio
Cada um de nós possui livre arbítrio.
           

Qualquer mudança de pensamento produz uma vibração no seu corpo mental e isto, quando transmitido ao corpo físico, causa uma actividade nas células nervosas que por sua vez vai originar mudanças eléctricas e químicas.
Paixão intensa, ódio, inveja amarga, ansiedade corrosiva, explosões de raiva, realmente destroem células no corpo e produzem doenças de coração, fígado rins pâncreas e estômago.


Não perca nenhuma oportunidade de evoluir. Use todas elas. Cada oportunidade é dada para a sua elevação e desenvolvimento.
Procure SERVIR em todos os momentos da sua vida diária.
Se encontrar um homem doente, incapaz de se mexer, leve-o até ao hospital mais próximo. SIRVA a Divindade em todos os seres.
Procure sentir neles Deus, que penetra, permeia e habita em tudo o que existe.
Veja a Divindade no brilho dos seus olhos, nos seus lamentos, na pulsação e movimento dos pulmões.
Deus dá-lhe essa oportunidade para que você desenvolva a misericórdia e o amor, para purificar o seu coração e a sua mente, removendo pensamentos de ódio e inveja, etc.



Algumas vezes, se você é muito tímido, Deus o colocará em circunstâncias tais que será forçado a mostrar coragem e presença de espírito, até ás vezes arriscando a vida.
Portanto, não reclame de ambientes desfavoráveis. Crie o seu próprio mundo. O homem que tenta desenvolver-se ou evoluir em ambientes adversos, será realmente um homem muito forte.
A base de todos os males é a ideia errada de que você é um corpo. Através de pensamentos errados identifica-se com o corpo. Você cria apego ao corpo. Então surge o egocentrismo. Depois, cria apego á casa, objectos, família, etc.
A identificação ou apego cria servidão, miséria e dor.


Virtudes como a sinceridade, a seriedade e a aplicação são as melhores fontes de poder mental.
A pureza leva à sabedoria e à imortalidade.
Existem 2 tipos de pureza - a interna ou mental, e a externa ou física.
A pureza mental é a mais importante.
Estabelecendo-se a pureza mental interna, a alegria mental, a mente dirigida para um determinado fim, em concentração, depois em meditação, obtém-se a conquista da auto-realização.


Se se cultivar a atenção, conseguir-se-à boa concentração. A mente serena está preparada para a concentração.
Mantém a tua mente serena!
Sê alegre!
Mantém regularidade na meditação!
Tenta sentar-te sempre no mesmo lugar, à mesma hora!

um abraço
maria

Offline kunti

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 438
  • Karma: +3/-0
Re: A Mente
« Responder #3 em: Dezembro 10, 2008, 13:37:20 pm »
 Eureka!   O clássico enunciado deste princípio, chamado de Arquimedes,
é o seguinte:todo o corpo submergido num fluido experimenta um impulso
de baixo para cima igual ao peso do fluído que desloca.
 
__________________________________________________________________
 
De :  HERMES  TRIMEGISTO , em  Kibalion.
 
Como é em baixo, assim é em cima !     (tudo é vibração !)
 
_________________________________________________________________
 
O que tem isto a ver com a mente ?
 Nada como é evidente...!!!   

Ou terá ? ? ?    ;)
 
_________________________________________________________________
 
Juntando...
 
Um pensamento sólido, mergulhado numa mente fluída,
exerce uma evolução mental,
de baixo para cima, conforme o "lixo mental" (fluído) deslocado.
________________________________________________________________

Como na banheira, talvez se possa pensar que a mente é um
reservatório de pensamentos  (memórias).

Que os pensamentos têm formas e ocupam espaço,
Que uns são mais fluidos, outros mais densos (coerentes !)
 
A palavra  "chitta", do sânscrito, é utilizada em Yoga, significando
 "substançia" mental.
 
Sendo uma "coisa" (que nós "temos"), podemos  usá-la !!!
Ou é a mente que nos tem a  «nós»  ?
 
O que somos «nós» ?   A  Centelha Dívina !!!
 
___________________________________________________________
 
 
Como é em baixo....   :)
___________________________________________________________
 
 
Meditemos... !!!
 
___________________________________________________________


Mais   aínda !!!    :)



_____________________________________________________________

Ontem foi embora !!!
Amanhã, aínda não veio ...
Temos sorte hoje...  comecemos !!!
 
Mãe Teresa    ( de Calcutá)
___________________________________________________________
 
A Mente mente constante/mente.
 
Humano, vígia os teus pensamentos !  ( disse  ELE )
 
____________________________________________________________

Lembram-se  EX DUCERE ?     (educar , "fazer saír" )

(partilha de pensamentos ?   "apenas isso" !  :D  ;D
____________________________________________________________
 
Namasté
 
 
                                      Kunti
 
 
« Última modificação: Julho 09, 2016, 17:29:20 pm por kunti »

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
Re: A Mente
« Responder #4 em: Dezembro 10, 2008, 21:29:36 pm »
Queridos Amigos!



 
O que somos «nós» ?   A  Centelha Dívina !!!

___________________________________________________________
 
A Mente mente constante/mente.
 
Humano, vígia os teus pensamentos !  ( disse  ELE )
 
____________________________________________________________

Lembram-se  EDU  CERE ?     (educar , "fazer saír" )

(partilha de pensamentos ?   "apenas isso" !  :D  ;D
____________________________________________________________
 
 

::) ::) OBSTÁCULOS À MEDITAÇÃO



-   Exercícios físicos exagerados
-   Muita conversa
-   Comer demais
-   Beber demais
-   Procurar a companhia de pessoas fúteis
-   Andar demais
-   Muita actividade sexual
-   Muito cansaço físico.





Acabe com os pensamentos dispersos. Podemos fazer um treino. Escolha um assunto e pense em todas as diferentes facetas e importância. Quando fizer esse exercício não permita que qualquer outro pensamento penetre na sua mente. E, quando isso acontecer, leve-a outra vez de volta ao ponto em questão.

Por exemplo, comece a pensar na vida e ensinamentos de Ramana Maharshi ou de Jesus, ou de Buda, (ou de outro Iluminado).


Pense no lugar em que ele nasceu, no seu carácter, sua personalidade, as suas virtudes, os seus ensinamentos, sua filosofia, algumas das suas frases importantes, etc. Pense nisto com esta sequência. Extraia tudo de cada um dos itens. Frequentemente alerte a mente para cada ponto. Depois escolha outro assunto.
Com este exercício você desenvolverá um método de pensar. As imagens adquirirão enorme força e intensidade. Tornar-se-ão claras e definidas. Nas pessoas comuns as imagens mentais são deformadas e indefinidas.
 
       
As imagens mentais do homem comum são, em geral, muito distorcidas. Ele desconhece o pensamento profundo. Os seus pensamentos são pensamentos caóticos. Normalmente há muita confusão na sua mente.
Somente os pensadores, os filósofos, os estudiosos e os yogues possuem imagens mentais bem definidas e claras. A clarividência prova isto cabalmente. Aqueles que praticam a meditação e a concentração desenvolvem imagens mentais fortes e bem formadas.
A maioria dos pensamentos do homem comum não possui uma base firme. Eles aparecem e desaparecem. Por isso são vagos e indefinidos. As imagens não são claras, fortes e bem definidas.
Terá que esclarecer as suas ideias, usando pensamentos correctos, raciocínio, introspecção e meditação. A confusão desaparecerá!

 

Não permita que a mente borbulhe. Deixe que uma onda de pensamento surja e se estabeleça calmamente.
Aí então aceite o aparecimento de outro pensamento. Afaste todos os pensamentos estranhos que não tem relação com o assunto que está encarando nesse momento.

Purifique os seus pensamentos em alto grau. Faça introspecção e meditação em solidão. Silencie os pensamentos.


Sendo uma enorme força, o pensamento possui um poder tremendo. É um assunto crucial saber como usar este poder de maneira correcta, da maneira mais elevada. A melhor maneira é praticar a concentração e a meditação.



A meditação funciona quando o pensamento aplicado e contínuo, o êxtase, a bem-aventurança e o controle da mente existam.


O pensamento é uma força vital e viva - a força vital, subtil e irresistível em todo o Universo.
Os pensamentos são formas vivas, movimentam-se. Possuem forma, estrutura, cor qualidade, substância e poder.
Um pensamento de alegria cria consequentemente um pensamento de alegria nos outros. Quando surge um pensamento nobre, ele serve de antídoto potente para contrabalançar um mau pensamento.
Se nos exercitarmos a pensar positivamente, vamos adquirir poder criativo.

Não se deixe influenciar facilmente pelas sugestões alheias. Todos nós vivemos num mundo de sugestões. O nosso carácter é inconsciente e diariamente modificado pela associação com outras pessoas.
Inconscientemente imitamos os actos daqueles que admiramos. Diariamente absorvemos as sugestões dos que nos cercam na vida quotidiana. Essas sugestões agem sobre nós.
Os costumes nada mais são do que o produto de sugestões. A roupa que vestimos, os nossos modos, comportamento e até o alimento que comemos são todos, e nada mais que produto ou resultado de sugestões.

 ::)
Observe muito cuidadosamente todos os seus pensamentos. Suponhamos que você “se torna presa de pensamentos tristes.” Você vai sentir depressão. Tome uma chávena de leite ou de chá de tília. Sente-se calmamente. Feche os olhos. Procure encontrar a causa da depressão e tente removê-la.
O melhor método para superar pensamentos tristes e a depressão consequente é procurar pensamentos inspiradores sobre coisas inspiradoras. Lembre-se, de novo, que o positivo supera o negativo. Esta é uma das eficientes Leis da Natureza.
Cante: muitas vezes o canto pode mudar rapidamente o seu estado de ânimo. Cantar é muito benéfico para espantar a tristeza. Cante o OM várias vezes, se quiser. Dê uma corrida ao ar livre A depressão desaparecerá.

 ???
Você pode tratar da mesma forma outros pensamentos e sentimentos negativos. Quando ficar com raiva - pense no Amor de Jesus. Se tiver pensamentos de inveja - pense na caridade de S. Francisco de Assis. Quando surgirem pensamentos deprimentes, tente relaxar e lembrar-se de uma paisagem que um dia o impressionou pela sua beleza, ou lembrar-se de alguma frase que tenha lido num livro que o tenha inspirado. E assim por diante.
Você afastará os pensamentos e sentimentos negativos e estabelecerá um estado de ânimo positivo. A prática contínua do exercício é essencial.
Tenha cuidado na escolha dos seus amigos.

Fale pouco e apenas sobre assuntos úteis!


No começo da prática do controle de pensamentos você sentirá grande dificuldade. Os pensamentos tudo farão para defender a própria existência. “Dirão”: Temos o direito de permanecer neste palácio da mente. Desde tempos imemoriais possuímos o monopólio de ocupação desta área. Por que razão iremos evacuar o nosso próprio domínio? Lutaremos até ao fim pelos nossos direitos inatos.

Eles atacarão com violência.

Quando se sentar para meditar, surgirão os pensamentos mais variados tipos de maus pensamentos. Se você tentar suprimi-los, eles atacarão ainda com mais força e vigor. Mas o positivo supera sempre o negativo.
Assim como a escuridão desaparece com o Sol, assim como o leopardo não enfrenta o leão. Assim também esses pensamentos escuros negativos - esses importunos invisíveis, inimigos da paz - se afastarão diante dos pensamentos sublimes e divinos.
Morrerão de inanição.




Afaste da sua mente todos os pensamentos desnecessários, inúteis e irritantes. Os pensamentos inúteis impedem o seu crescimento espiritual: os pensamentos irritantes são obstáculo para o seu crescimento espiritual.
Você afasta-se de Deus quando alimenta pensamentos inúteis. Substitua-os por pensamentos de bondade. Cultive unicamente pensamentos proveitosos e úteis. Não permita que a mente permaneça nos velhos sulcos e que conserve seus próprios caminhos e hábitos. Mantenha-se cuidadosamente alerta.


Se uma pedra dentro do sapato nos incomoda, nós tiramo-la. Descalçamos o sapato e sacudimo-la. No momento em que se compreende bem esta questão torna-se igualmente fácil remover um pensamento inoportuno e irritante da mente. Não deve haver dúvidas nem duas opiniões contraditórias. Isto é óbvio e evidente.   
Deveria ser tão fácil expelir um pensamento irritante da mente como retirar uma pedra do sapato; e, antes que um homem seja capaz disto, é inútil dizer que conquistou o seu Ego. É um mero escravo e presa dos fantasmas de asas de morcego que esvoaçam no corredor do seu cérebro.


Os pensamentos fúteis causar-lhe-ão muitas dificuldades no começo da sua nova vida espiritual. Dificultar-lhe-ão a prática de meditação e da vida espiritual. Mas se for disciplinado no cultivo dos pensamentos espirituais e na meditação, esses pensamentos fúteis morrerão paulatinamente por si mesmos.                                                                              
A meditação é um fogo que queima esses pensamentos. Não tente expulsá-los todos. Alimente pensamentos positivos em relação à meditação. Pense positivamente sobre coisas elevadas.


Observe cuidadosamente a sua mente. Seja vigilante. Esteja alerta. Não permita que ondas de irritação, inveja, raiva ódio, luxúria, entrem na sua mente. Essas ondas sombrias e os pensamentos sombrios, fúteis, são inimigos da meditação, da paz e da sabedoria.
Domine-os imediatamente, alimentando pensamentos divinos e sublimes. Os pensamentos fúteis que aparecem, podem ser eliminados pela criação de bons pensamentos e a continuidade destes pode ser mantida pela repetição do mantra, ou pela oração, cantando, praticando boas acções, lembrando a miséria que os pensamentos fúteis acarretam.

Quando você atingir um estado de pureza mental, nenhum pensamento fútil surgirá na sua mente. Assim como é fácil impedir a entrada de um estranho ou de um inimigo no portão, será fácil afastar um pensamento fútil no momento em que ele aparecer. Corte-o pela raiz. Não permita que ele se enraíze.



Quando você está ocupado no seu trabalho diário, é possível que não tenha nenhum pensamento impuro; mas quando vai descansar e a mente fica ociosa, os pensamentos impuros tentarão entrar traiçoeiramente. Precisa ter cuidado quando a mente está relaxada.



Os pensamentos são fortalecidos pela repetição. Se você alimentar um pensamento impuro ou um bom pensamento, uma vez que seja, ele tem tendência para se repetir.
Os pensamentos juntam-se da mesma maneira como as aves da mesma espécie se congregam. Assim, se você cultivar pensamentos impuros, todos se juntarão e o atacarão. Mas se tiver um bom pensamento, todos os bons pensamentos virão ajudá-lo.
Deixe que de todos os lados venham até si pensamentos sublimes.



Dúvidas, medos, fraquezas, depressão, pensamentos sombrios, são todos negativos. Cultive pensamentos de força, confiança, coragem, alegria. Os pensamentos negativos desaparecerão.
Encha a sua mente de pensamentos divinos com orações, estudo e reflexão de livros sagrados. Olhe com indiferença para todos os pensamentos negativos e fúteis. E eles se afastarão. Não lute contra eles. Peça a Deus que lhe dê força. Leia a vida de Mestres e Santos.
Todos os que seguem estes princípios passaram pelas mesmas dificuldades. Portanto, tenha coragem!



“A alma não pode ser alcançada por pessoas fracas. “Os aspirantes sinceros dedicam todo o seu ser à contemplação do Eterno, tendo retraído a sua afeição pelo mundo dos objectos sensoriais.



Aqueles que destruíram as hordas de pensamentos costumeiros, gozarão da bem – aventurança final na sede Bramânica, cheios de confiança, de aceitação e de igualdade. A sua visão sobre tudo será perfeita. A mente inferior daninha e poderosa, é que gera todas as dores e todos os medos, as diversificações, a heterogeneidade, as diferenciações e dualidades destrói a riqueza nobre e espiritual. Domine essa mente perturbadora.



Quando o objecto visto e a visão se tornam una em quem a vê, a experiência chamada Ananda (bem – aventurança) é o seu quinhão. Por todos os lados vê o Jnana ilimitado, a Alma Universal. E então todas as diferenciações e dualidades desaparecerão.
Os pensamentos de atracção e repulsão, os afectos e os desafectos, são eliminados totalmente. Neste ponto o sábio não estará mais consciente do corpo, ainda que funcionando nele. Nunca perde o controlo, mesmo entre muitas ilusões deste mundo, como a mulher que cumpre as suas obrigações enquanto pensa no homem amado que está distante. O sábio mantém constantemente a mente concentrada em Deus.
Possa você sempre e apenas realizar os actos virtuosos que o auxiliarão a atingir Jnana, sem pensar em prosperidade material no futuro.
Possa você viver imerso no oceano de Júbilo Divino, num estado de total esclarecimento, tendo eliminado todas as dualidades, as diversidades e as diferenças.




Não tente afastar os pensamentos sem importância e sem sentido. Quanto mais tentar, mais vezes eles se repetirão e ganharão força. Você irá apenas sobrecarregar a sua energia e vontade.

Torne-se indiferente!

Encha a sua mente de pensamentos divinos!

Os outros desaparecerão paulatinamente. Coloque-se no estado de Nirvikalpa Samadhi, através de meditação constante.



A remoção da tensão nos músculos do corpo faz com que a mente descanse e se acalme. Pelo relaxamento você descansará a mente, os nervos e os músculos tensos. Obterá grande paz de espírito, força e vigor. Quando praticar o relaxamento, quer do corpo, quer da mente, o cérebro não se deverá ocupar com diversos tipos de pensamentos estranhos, soltos. A raiva, a decepção, o fracasso, o mal-estar, a miséria, a tristeza, as brigas, causam tensão mental interna.
Expulse-os!

Os pensamentos são de 4 tipos: simbólicos, instintivos, impulsivos e costumeiros. Pensar com palavras é do tipo simbólico. Os instintos são mais fortes do que os impulsos. Os pensamentos costumeiros referem-se ao corpo, à alimentação, às bebidas, ao banho, etc. É fácil parar os pensamentos simbólicos; difícil parar os instintivos e impulsivos.
Consegue-se adquirir equilíbrio e calma mental, eliminando as preocupações e a raiva. O medo está realmente ligado à preocupação e à raiva. Seja cuidadoso e vigilante. Todas as preocupações desnecessárias devem ser evitadas. Sente-se durante 15 minutos pelo menos, relaxando, em posição confortável, e faça a sua meditação. Pense em coragem Júbilo, paz e Alegria!
Geralmente nas pessoas ainda não acostumadas a fazer esses exercícios, a mente está ocupada, ao mesmo tempo, com 4 ou 5 tipos de pensamentos.
Pensamentos sobre o lar, sobre os negócios, trabalho, o corpo, a comida e a bebida, esperanças e planos, projectos para fazer dinheiro, alguns pensamentos de vingança, alguns costumeiros de, como e quando ir à casa de banho, de lavar-se, etc., ocupam a mente ao mesmo tempo.
Quando você está a estudar um livro com bastante interesse, a ideia do prazer de assistir a um filme, pode assaltá-lo de vez em quando. Só um Yogue, com a mente exercitada pela concentração, consegue manter dentro de si um único pensamento durante o tempo que desejar.




Se observar cuidadosamente a mente, verificará que muitos pensamentos são inconscientes. A mente vagueia sem destino fixo. Lá se encontram alguns pensamentos sobre amigos, alguns sobre como ganhar dinheiro, uns sobre comer e beber, outros a sua infância, etc.
Se conseguir estudar a mente e conseguir pensar num assunto único, excluindo todos os outros pensamentos, só isto constitui uma vitória e você terá dado um grande passo na conquista do controle de pensamentos. Não desanime.


O objectivo da vida é adquirir a consciência Divina!
Esse objectivo é a compreensão de que você não é só esse corpo mortal, nem só essa mente mutável e finita, mas a Alma totalmente pura e livre!
   Uma consciência limpa fortalece o coração e a mente;
   A pobreza é a irmã mais velha da preguiça;
   Conhecer-se a si mesmo é o maior tesouro;
   A meditação é chave do conhecimento.


um abraço
maria


Offline kunti

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 438
  • Karma: +3/-0
Re: A Mente
« Responder #5 em: Dezembro 11, 2008, 12:39:06 pm »
Citei :
 
Ontem foi embora !!!
Amanhã, aínda não veio ...
Temos sorte hoje...  comecemos !!!
 
Mãe Teresa    ( de Calcutá)
___________________________________________________________

O Valor do Tempo

"nem com milhões de moedas de ouro se pode recuperar
um o instante da vida.
Que maior perda , então , que a do Tempo desperdiçado ? "

Chanakia  ,  275 ac , India

.....................................................................................

Comecemos   !!!
.....................................................................................




:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

O espaço acima é a necessidade de Pré/encher o "vazio".

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Namasté

                   Kunti

Offline kunti

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 438
  • Karma: +3/-0
Re: A Mente
« Responder #6 em: Dezembro 23, 2008, 15:52:19 pm »
Grandes Realizações só são possíveis, quando
 se dá importancia a pequenos começos.

                        LAO  TSÉ


COMEÇA  !!!

________________________________________________________

Não é por ser difícil, que nós não ousamos.

É por não ousarmos, que é difícil...!!!

( Paulinho da Viola )
________________________________________________________

      OUSA  !!!
________________________________________________________
Namasté.

                    Kunti
« Última modificação: Dezembro 23, 2008, 15:55:55 pm por kunti »

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
Re: A Mente ( a meditação e a música)
« Responder #7 em: Dezembro 28, 2008, 15:35:20 pm »

Olá Amigos!

A   MEDITAÇÃO   E A   MÚSICA

A meditação é um processo de interiorização, onde não pode haver nenhum bloqueio mental. Quando falo em bloqueio mental pode gerar uma certa confusão, porque as pessoas podem pensar que não há pensamento na altura em que possa provocar um bloqueio mental. Não é a isso que me refiro.
Para nós estarmos completamente abertos a uma meditação, que vá exercer uma influência directa no consciente, nós temos que estar na condição de absolutamente limpos em questão de conceitos.
Reparem: uma pessoa, normalmente, não se abre, vive fechada dentro das suas ideias, dos seus conceitos. Uma pessoa pode aceitar o yoga sob um determinado aspecto e não o aceitar sob outro aspecto; uma pessoa que aceita o Vedanta, o Hinduismo, o Cristianismo, mas não aceita o Espiritismo, que rejeita qualquer coisa, encontra dentro de si bloqueios internos ;  nunca  vai conseguir uma imobilização total ao nível de pensamento, porque as emoções referentes a qualquer linha não se encontram  na área do pensamento, encontra-se gravada no Corpo Astral e Mental das pessoas.
Portanto, nós podemos chegar a adquirir uma certa imobilização no pensamento, mas tirarmos daí pouco proveito. Porque existe um bloqueamento que não dá a possibilidade de tocar conscientemente o plano Búdico, tocar os “pés do Nirvana”  .  É tudo muito mais subtil. Por isso é que existe a teoria.
Porque é que existe a teoria, porque  é que existem os Grupos, porque é que as pessoas se juntam a falar e cada um não recebe as suas técnicas e não vai para casa meditar? É porque existe uma necessidade de se criar um desbloqueamento interno e mental, de forma a colocar a pessoa nessa disposição, tanto consciente como inconsciente.
Até criarmos a condição de estarmos abertos a tudo, sem conflitos provocados pela rejeição de seja o que for, até lá temos que ir aos poucos aceitando todas as coisas e vamos meditando e vamos imobilizando os nossos pensamentos para nos  focalizarmos  cada vez mais no ponto em que a meditação acontece. E assim nos vamos exercitando para atingir a imobilidade total.
Existem 2 tipos de imobilidade: a física e a mental. A física depende directamente da mental. Embora possamos estar fisicamente imóveis enquanto estamos mentalmente em grande movimento;  se estivermos imóveis mentalmente estaremos forçosamente imóveis fisicamente.
Outra coisa que pode criar bloqueios nas pessoas é um ritual; há pessoas que não são capazes de suportar um ritual. E às vezes o ritual tem mesmo a função de desestabilizar os conceitos das pessoa. Há pessoas que se julgam muito espirituais, mas se tiverem que assistir a um ritual, um Puja, uma oferenda, isso provoca-lhe conflitos. A pessoa começa a rejeitar interiormente o ritual logo no inicio e quando chega a meio já não aguenta mais, mesmo ao nível físico e tem que sair. Porque acha que é um primitivismo, que é desnecessário, etc. E isto representa um bloqueio. Portanto nós devemos estar sempre na disposição de aceitar que haja ou não haja um ritual
BAKTI  YOGA
O BAKTI YOGA tira mais proveito do ritual; mas o RAJA YOGA também tira proveito do ritual, embora menor, se estiver receptiva à vibração. Pois há uma vibração muito forte à volta das pessoas que são BAKTI YOGA. E para estar receptivo à vibração do Amor Devocional, não basta estar presente sem conflito, também é necessário estar imóvel.
Não é estar estático, com tensão; é numa imobilidade natural de quem está atento, consciente e interiorizado. Não é necessário fazer esforço, porque se houver esforço haverá necessariamente bloqueios de ordem física. Conforme se vai criando a imobilidade mental, aos poucos vai-se adquirindo a imobilidade física natural, na meditação. E o corpo vai-se endireitando lentamente para a posição anatómica correcta; o pescoço pode ficar rígido, mas está relaxado. O corpo está estático, mas sem tensão, relaxado. Esse é um dos segredos (o menor) da meditação.
Quando nos concentramos num mantra, ou um Mestre, isso vai provocar uma certa vibração no Corpo Mental, depois no Astral e depois no Corpo Físico.
 E aí poderemos aperceber mo-nos dessa vibração a nível físico. E quanto mais praticarmos, mais rápido vai acontecer que essa vibração venha do Corpo Búdico e mais tarde do Nirvanico.
Ora quando nós conseguimos aperceber da vibração no Corpo Físico, vibração essa provocada pela concentração no mantra, ou num Mestre, a nossa concentração aumenta e a imobilidade mental está ai. Daí o facto de haver várias escolas que só dão mantras. Não fazem mais nada.
Nós aqui ainda temos a possibilidade de ir tirando mel de várias flores, isto é de várias escolas. Porque funcionamos de um modo aberto e progressivo vão tendo a possibilidade de poder ter conhecimentos mais profundos de várias escolas, o que não é fácil encontrar, nem no nosso país nem no estrangeiro.
Mas, como eu ia dizendo, se tivermos uma postura mais direita, nós temos pensamentos mais lentos, não são tão complicados nem violentos como os que podemos ter se estivermos em postura incorrecta.
Estáticos, em meditação, podemos obter tudo!
E atenção: sempre que se concentrarem no mantra, tenham sempre como objectivo apanhar essa vibração que é provocada no corpo físico, porque então é fácil estar imóvel. É preciso apanhar essa vibração. Mas para a apanhar é preciso não haver rejeições, incompreensões, bloqueios. Devemos estar limpos. Por isso é que encontramos em várias escolas espiritualistas pessoas que não se modificam internamente, porque o que vão aprendendo vai criando uma camada mental em cima do que já lá existia previamente, enchendo e armazenando e tapando, de modo que a pessoa resulta num ser cada vez mais falso. Não é ela própria. Não é o ser Integral, liberto. Dizendo coisas que não pratica, numa hipocrisia continua que só engana quem? A pessoa assim está cada vez mais recalcada. E se a pessoa sair dessa escola e for para outra, que seja verdadeiramente e profundamente espiritualista, tudo isso tem que vir cá para fora e, aí, naturalmente surge o conflito, o sofrimento pela desestabilização dessas camadas inúteis que encobrem o verdadeiro Ser.
E quando isso acontece é bom! É porque a pessoa está a limpar-se, como que numa espécie de purga, para continuar a evoluir, mas agora mais rapidamente, mais em verdade. E o verdadeiro Eu surge em toda a sua plenitude.
Então podem acontecer as experiências profundas e a pessoa muda completamente. Mas isso não depende inteiramente de quem ensina, depende mais da humildade e da entrega da própria pessoa ao novo ensinamento; e da maneira como essa pessoa tenta aplicar no seu dia-a-dia esses ensinamentos, práticos, que adquiriu.
Nós nada sabemos desta vida, desta vida aqui, física. E podemos aprender a viver duma maneira integral.
Geralmente as pessoas fazem da sua vida um inferno, quando podem fazer dela um céu. É só uma questão de nós aceitarmos humildemente o que nos é dito. De outro modo é melhor pararmos e não fazermos nada. Porque ou se faz com verdadeira entrega ou não se faz.
Pode-se ir protelando durante algum tempo essa entrega, mas surge um dia em que isso não é mais possível. Aqueles que pensam que podem estar toda a vida com um pé dentro e outro fora tomem consciência de que isso não resulta, porque uma vez iniciada a busca da auto-realização ela não pode ser adiada indefinidamente. E quando essa pessoa põe os dois pés “dentro” é maravilhoso. Porque só podem acontecer duas coisas: ou a pessoa sai ou entra com os dois pés.
Mas é fatal que um dia ela vai ter que por os dois pés “dentro”. Não porque seja provocado por nós ou pelas pessoas. Não! É que aquilo que vai sendo acumulado não é uma modificação real e em qualquer altura vai ter que rebentar. É como a gente estar a meter sempre coisas no saco, até que chega uma altura em que ele rebenta. E nessa altura, tudo está mal na própria pessoa e nos outros à sua volta, porque nós vemos o exterior de acordo com o nosso interior. Se nós estivermos bem por dentro, o exterior também vai estar bem. Porque ninguém quer fazer mal a ninguém dentro do grupo. Tudo isto acontece porque “andamos numa mente desgraçada” e temos que nos esforçar muito para a conhecermos; e isso dói! Mas é necessário ultrapassar essa fase e então a mente será muito mais útil, será o nosso melhor aliado, que nos vai deixar usufruir tudo duma maneira correcta. Porque a mente tanto pode funcionar como “má “como a coisa mais maravilhosa. É preciso compreender estes paradoxos da mente.
E o paradoxo da mente é o paradoxo do ser humano; é o paradoxo da vida. Por isso muitas pessoas podem chorar de alegria. E outras podem cantar de tristeza. Aliás, a música tem um efeito muito especial

  Música
A música sempre teve um relacionamento muito profundo com o que vai dentro de nós, no mais profundo do Ser, que é a Espiritualidade. Todos os músicos e todas as pessoas que vibram profundamente com a música são pessoas muito sensíveis; são pessoas que canalizam a sua sensibilidade através da música.
Os artistas, os poetas, os escritores, os músicos são indivíduos com muita sensibilidade, que descobrem um escape para a sua personalidade se manifestar, para o seu eu se manifestar. Por vezes eles declaram: “Isto que eu fiz é aquilo que eu desejava fazer, mas é aquilo que eu não posso ser”. Porque as suas obras são manifestações dos seus sonhos, da sua imaginação, daquilo que sentem ou pressentem, mas não daquilo que eles próprios são. Constatamos isto muitas vezes.
Eis um exemplo
“Eu gostava de escrever uma canção
Que fosse tão vibrante e intima
Que a terra a adoptaria
Como se ela tivesse jorrado como uma fonte
Da memória da Terra
Como se ninguém a tivesse escrito
Mas sim a própria vida.
E a minha canção voaria
Do pássaro para a asa, para a árvore
Para a cinza, para o coração, para a respiração, para a canção.
Porque a canção não pertence a ninguém, tal como a fonte!”
Este poema pertence a uma canção que eu ouvi há pouco tempo e demonstra bem a sensibilidade de quem a compôs.
O que é isto senão uma tentativa da sua personalidade para se escapar para ir para outros mundos?
Os músicos, os escritores são indivíduos que encontraram uma fuga, um escape para a sua sensibilidade. E ela pode manifestar-se em vários aspectos: na literatura, na música, na pintura, etc. Mas está relacionada com algo de eterno, com algo de profundo, com algo de Divino. Só que a pessoa não tem consciência disso.
A música sempre existiu e sempre há -de existir. Ela tanto existe nos aparelhos (através deles), como existe dentro de nós. Quando nós pomos a tocar uma música suave ou barulhenta, as pessoas têm reacções diferentes, ligadas com o seu interior. Sempre. Ou porque provoca estados catárticos, exteriorizantes ou estados passageiros de beatitude.
Quando nós pomos música a tocar, é como um chamamento. Não é para que as pessoas meditem melhor. Não! Porque se uma pessoa está em meditação ou concentração está num processo interiorizante, numa alquimia interna, e o ruído pode tirá-la desse estado. Portanto, a música aqui não tem a função de fazer com que meditemos melhor.
A música é apenas um convite à interiorização, ao relaxamento. Se o quisermos fazer, podemos pôr musica a tocar antes da meditação, para nos chamar para dentro, para criar um ambiente, uma vibração boa, ou para que se manifeste em nós aquele desejo interno de inocência. Porque a música toca “cá dentro de nós”.
Assim a pessoa fica menos resistente, mais aberta, mais vulnerável. E é nesse ponto que se deve iniciar a meditação interna. Mas aí então a música pára, porque já não nos vai ajudar. Agora precisamos de caminhar pelas nossas próprias pernas.
Até porque se cria um hábito: é que depois as pessoas não conseguem meditar se não tiverem música. E isso é um erro. Porque, mais tarde a pessoa deve conseguir meditar em qualquer lado e em qualquer circunstância. Por isso considerem a música uma facilidade concedida apenas no inicio da caminhada.
Porque reparem: se nós tivermos uma boa experiência numa meditação e a seguir pusermos uma música a tocar ela torna-se incomoda para os nossos ouvidos, porque nos está a chamar para o exterior, quando nós estávamos tão bem no “interior”. Sentimos que ela é um pouco rude em relação àquela vibração que estivemos (ou estamos ainda) a sentir, porque estamos a viver num estado de consciência diferente, que nada tem que ver com o exterior nem com a música, por mais bela que ela seja.
Portanto, enquanto nós estivermos “na música” não estamos verdadeiramente a meditar. Ela é apenas um convite, mas não é a festa.
Também é um facto que as pessoas muito treinadas em meditação atingem um ponto tal de concentração que nada exterior as pode perturbar, mesmo que à sua volta esteja a tocar um grupo “Punk”. Mas isso é um estado a atingir.
Portanto, se nós estivermos concentrados na música, não passamos dessa vibração. O estado de consciência que é suposto atingir pela meditação não é compatível com a música, seja ela qual for, mesmo que seja muito subtil, porque não deixa de ser uma manifestação externa. Um ruído, pode ser bonito ou feio, mas é sempre externo a nós.
Os estados elevados de consciência não têm nada que ver com o veículo externo, têm que ver com algo mais interno. Embora tudo seja vibração e, por consequência, som, são coisas incompatíveis.
O som da vida diz respeito a um estado da matéria. É matéria que foi posta a vibrar numa determinada frequência. Pode ser muito linda ou muito feia para nós. Mas essa frequência é inalterável e não tem que ser bonita nem feia, porque é ela mesma.
E aquilo que eu aconselho no fim da meditação é uma música para ser cantada (não escutada), para nós podermos manifestar externamente os sentimentos que nos vão cá dentro. Essa é que deve ser a música final.
A primeira música é um convite à interiorização. A segunda é o resultado dessa interiorização. E a terceira é a manifestação dessa interiorização. Cada um manifesta-a como quiser e souber e puder. Mas cada pessoa deve estar em condições de poder manifestar de todas as maneiras possíveis: cantando ao seu Mestre, ou oferecendo-lhe o seu estado de consciência ou simplesmente dançando.
Existem 3 tipos de música:
1º é a música normal
2º é a meditação
3º é a canção
E é assim! A música faz parte da nossa essência, da essência Divina. Tocar música e cantar é glorificar a Deus aquilo que Ele nos deu: a Vida – vibração que não é possível imitar, nem recriar. Os sons sempre existiram antes de nós.
E devemos lembrar que sempre que existe música, existe movimento. Quando tocamos e cantamos música de vocacional o nosso coração vai crescendo, o amor vai crescendo. E se nós formos sempre compartilhando esse amor ele torna-se um movimento contínuo, nós transcendem - mo-nos e somos felizes.
E aí a nossa mente incomoda muito pouco. Por isso muita gente refugia-se na música para esquecer a própria mente. Mas falta qualquer coisa. Falta o movimento. O corpo deve libertar-se ao som da música; então seremos bailarinos criativos. Não será um bailado, estudado coreográfica mente, como acontece com os bailarinos profissionais. Aí o bailarino pouco pode criar. Não é ele que dança, mas sim só o seu corpo é que está dançando.
O que é necessário é sentirmos a música dentro de nós então a dança acontece espontânea; nós deixamos de existir; o bailarino desaparece e a música torna-se dança e movimento. É o bailado integral, porque o corpo e a mente desaparecem na música. Só a música existe no movimento. Os  bailarinos vulgares estão fragmentados, porque não estão em ponto nenhum de libertação. Eles estão lá por partes, sempre.
Se nós entramos dentro da água, ocupamos um determinado espaço dentro dessa água. E se começarmos a fazer movimentos lentos dentro da água reparamos que o nosso corpo move-se com maior beleza, move-se criando figuras dentro da própria água; e se nós nos abandonarmos a própria água toma conta de nós e o nosso corpo assume um bailado próprio da água e nós senti -mo-nos bem, livres, refrescados. Senti - mo-nos óptimos.
Se nos entregarmos à própria natureza da água ou do vento temos uma maravilhosa sensação de liberdade. Nós lutamos sempre contra o vento; mas experimentem senti-lo a passar na cara, no cabelo, nos braços, deixem-se ir com o vento. É maravilhoso correr com o vento (não contra ele).
Existem tantas coisas maravilhosas que podem ser aproveitadas, mas que, infelizmente as pessoas tentam combater, em vez de as aceitar e colaborar com elas.
A entrega à Natureza proporciona um ajustamento do Homem ao local onde vive.

                                                                    ( Mestres Fernando e Teresinha, o meu obrigado) 
Um abraço
maria 

Offline maria

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 182
  • Karma: +2/-0
Re: A Mente ( Estarei a Evoluir? )
« Responder #8 em: Janeiro 01, 2009, 11:04:52 am »

Queridos Amigos!

                                    ESTAREI EU A EVOLUIR NA MEDITAÇÃO?



                           Alguns de vós em determinada altura dentro da espiritualidade já fez esta pergunta: “ Estarei eu a evoluir na meditação? “ É claro que esta pergunta, já nos foi formulada várias vezes por membros. Claro que tem significado, mas, ao mesmo tempo ela é formulada somente quando algo de errado está a acontecer, ela é sinónimo também de uma esperteza sagas, porque a nossa mente já nos meteu na engrenagem da expectativa e quer a todo o custo saber se não está a ser enganada.

                        Quando esta pergunta é feita, é necessário ter bem presente, que ela é sinónimo de que não estamos efectivamente fazendo nada para evoluir, estamos perdendo tempo com antecipações e não estamos a trabalhar para evoluir.

                         Esta pergunta surge por muitas razões. Uma é porque não estamos realmente a trabalhar, a agir para evoluir, estamos apenas nos enganado a nós próprios.

                        Estamos a fazer truques com nós mesmos. Isto porque estamos menos interessados no que estamos a fazer e mais interessados no que está a acontecer. Se estivermos realmente a meditar a sério, podemos deixar os resultados com o Divino. Mas as nossas mentes são de tal natureza, que nós nos preocupamos menos com a causa, e nos preocupamos mais com o efeito, devido à nossa avareza, à nossa cupidez, à nossa cobiça.

                         A cupidez quer tudo sem fazer nada. E dessa maneira, a mente avara lança-se para a frente. E a mente sagaz pergunta: “O que está acontecendo? Está mesmo a acontecer algo ou não?” Mas devo dizer-vos, preocupe -mo-nos realmente com o que estamos a fazer, e quando algo acontecer, logo saberemos. Vai acontecer mesmo. Não precisamos de perguntar a ninguém.

                           Se estivermos mesmo a progredir, então certas coisas vão começar a acontecer espontaneamente, mas tem que haver muito trabalho, muita meditação e uma forte ligação com o mestre.

                             Se o estado meditativo, for fruto da meditação, acontecer, é o meditante a primeira pessoa a saber, pois então surge a alegria, uma paz, uma beatitude maior surge.

                            Quando a meditação alcança a plenitude, fica-se tão em paz, alcança-se a beatitude, a plena sabedoria, tudo faz sentido, nenhum pensamento perturba essa beatitude. A meditação desaparece, deixa de existir o meditante e o objecto de meditação. Sujeito e objecto desaparecem, nenhuma meditação é feita, pois nenhuma é necessária, a técnica de meditação cumpriu o se fim. Levar-nos ao estado meditativo, à contemplação. A técnica de meditação já não funciona, porque já não é necessário fazer esforço, tudo terminou. Pois basicamente a meditação é um esforço, mas necessário para o não esforço surgir. A meditação no início é um descontentamento. Se algum dia estando a meditar surgir o silêncio e te esqueceres da técnica da meditação, e não sentires necessidade dela, mas se te sentires, tão satisfeito, tão em paz, tão feliz como nunca, então isso é sinal que estás a progredir, estás a alcançar o que é suposto alcançar, a meditação está a levar-te ao sítio certo, ou melhor, estás a ser levado pela meditação para o estado puro, isso é sinal de progresso, não precisas de perguntar.

               Há muitas pessoas que fazem meditação e não sentem nada, se não a fazem, sentem que ela lhe faz falta, ficam com um vazio.

               Muito cuidado com isto, pois assim a meditação está a funcionar como um vício. Como fumar ou beber. Nunca se pode deixar que a meditação seja um vício. A meditação deve ser viva e nova todos os dias. Quando vamos meditar, devemos fazê-lo como se fossemos fazer sempre uma coisa nova, uma coisa viva, devemos partir para ela com muita jovialidade. Pouco a pouco, então, o descontentamento vai desaparecendo, vai deixando de ser um esforço. Uma sensação de contentamento vai chegar. E não só enquanto estivermos a meditar. Se alguma coisa acontece somente quando estamos a meditar, isso faz algum bem, mas não será muito profundo. É somente bom em termos de comparação. Se nada estiver a acontecer, nem meditação, nem momentos de felicidade, de bem-aventurança, não se preocupem com isso. Se porém algo acontecer, é bom não criar uma fixação, pois senão ficamos presos e a meditação não nos leva ao ponto certo. Se a meditação estiver a ser feita correctamente, se for de profundidade, vamos-nos transformando, e a nossa atitude é diferente no Mundo e todo o dia a transformação acontece. Um contentamento subtil estará presente em cada momento. Seja o que for que se esteja a fazer, sentiremos um centro interno calmo, refrescante, felizes.

                Claro, haverá resultados. A revolta será cada vez menos e menos possível. Vai desaparecendo aos poucos. Porquê? Porque a revolta e a raiva revelam uma mente não-meditante, uma mente que não se sente bem consigo mesma, que se sente inquieta. Essa é a razão por que a raiva e a revolta são atiradas para os outros. Mas no fundo, estamos é com raiva de nós próprios, e revoltados connosco próprios. É por estarmos com raiva de nós próprios, vamos ficando com raiva dos outros, os outros fazem-nos revoltar, e sentir mal, mas o mal está somente connosco.                                                                                                     
       
            Já observaram que ficamos com raiva e revoltados somente das pessoas que vivem muito na nossa intimidade? Quanto maior a intimidade, maior a raiva. Porquê? Quanto maior o vácuo entre nós e a pessoa, menos raiva existe. Nós não ficamos com raiva de um estranho. Ficamos com raiva da mulher, do marido, do filho, da mãe. Porquê?

             A razão é somente porque estamos com raiva de nós próprios. Quanto mais íntimo o relacionamento de uma pessoa connosco, mais ela se identificou connosco.

           Assim como estamos com raiva de nós próprios e insatisfeitos, assim sempre que alguém se aproxima de nós, ou está intimamente ligado a nós, podemos lançar a nossa raiva e o nosso descontentamento sobre ela. Com a meditação profunda, seremos cada vez mais e mais contentes, satisfeitos e felizes connosco próprios, é preciso lembrar: CONNOSCO PRÓPRIOS.

            É quase sempre um milagre, que alguém esteja satisfeito consigo próprio
- Quase todos somos mentes não meditantes – para nós, ou estamos contentes, felizes com alguém, ou com raiva de alguém. Quando alguém se torna mais feliz, mais contente consigo mesmo, verdadeiramente. E quando se está enamorado de si mesmo, é difícil estar zangado, ficar com raiva. Todo o processo se torna um absurdo.                                                                                   

Haverá cada vez menos e menos raiva, mais e mais amor, mais e mais compaixão. Estes serão os sinais – os sinais gerais.

Não se pense, portanto, que o facto de se ter lindas experiencias espirituais na meditação, que só por isso já perdemos o ego, ou a mente está controlada, não! Pensar isso é um erro. É importante ter experiências, mas daí até controlar a mente ou perder o ego, vai uma grande distância. As verdadeiras experiências mudam as pessoas, aquelas experiências que vão profundamente trabalhar o nosso ego, transformam-nos, torna-nos mais felizes e não melancólicos e sisudos. Ser ou estar melancólico, sisudo, ou aparentar santidade, não é sinónimo de progresso, é somente sinónimo de ignorância e apego a experiencias espirituais, que apenas mostram o caminho, e não são o caminho.
A maior experiencia, é aquela que sendo simples, nos transforma todos os dias e para todos os dias, que nos leva ao grande silêncio e de onde trazemos Paz, Amor, Sabedoria, Felicidade e Alegria!

È bom que aconteça experiências espirituais, é mesmo necessário, mas devemos insistir até que aconteçam transformações psicológicas: menos raiva, menos revolta, menos insatisfação, menos descontentamento, mais amor; menos crueldade, mais compaixão.
     
Modificações do SER, são significativas, portanto não podemos deixar-nos arrastar por algumas fantasias, fantasias espirituais, sim, porque nós temos a tendência para fantasiar coisa, coisas que o não são. O aspecto fantasiado da santidade, o olhar triste, o semblante carregado, são fantasias e por vezes são projecções daquilo que desejaríamos ser e não somos, e como a verdadeira experiência não é nada disso, todos esses disfarces, são obsoletos. Quem tem a verdadeira experiência, sabe que isso é folclore do subconsciente.

         É de bom tom, ser bonzinho nas reuniões para ser espiritual, ser sério, e de aparências meigas. Mas o que realmente acontece, é que não havendo modificações básicas, tudo isso é falso! Podem começar a pensar que já são uns grandes Santos, só porque são bonzinhos para os outros, mas em casa são o inferno, obstinados, teimosos e torturam inconscientemente os outros, vão-se auto-punindo, vão tornando-se mártires por conta própria, e sem o saber, estão torturando os que lhe são mais íntimos. Isto é uma forma subtil e refinada de torturar os outros.

        Essas coisas não interessam, não são a finalidade da espiritualidade, da meditação.

     Observemos o nosso comportamento, aí está uma parte do segredo. Observar o que está acontecendo. Como está o nosso relacionamento com a mulher, filhos, pais e amigos. Há alguma mudança? Essa mudança é significativa? Se não houver mudança, algo está errado. Devemos conquistar outra atitude.

    É por isso que um assim chamado homem religioso, começa a sentir-se religioso: porque agora está vendo mais isto e mais aquilo, agora está mais “santinho “. etc. , mas ele permanece o mesmo. Ele até se torna pior.
 
O progresso espiritual tem que ser observado nos nossos relacionamentos. O relacionamento é o espelho. O relacionamento é o espelho dos nossos progressos. Contemplemos a nossa face nele. Devemos lembrar sempre que o relacionamento é a nossa outra cara. Se a meditação estiver a ser profunda, os relacionamentos vão tornar-se diferentes – totalmente diferentes. O amor será a nota básica do relacionamento. Deixamos de olhar para alguém violentamente como tem acontecido, pois estamos habituados a olhar sempre com violência.

Cada vez que, em meditação conquistarmos algo de significativo, devemos transferir essa experiência para o nosso dia-a-dia, criando assim a possibilidade de sermos mudados por ela. Se obtivermos uma experiência de beatitude numa meditação, devemos fazer com que ela se prolongue por todo o dia, e assim em cada meditação, teremos sempre presente a experiência da meditação anterior, até que a nossa vida seja uma constante experiência, até que a nossa vida seja uma meditação.

Então aí, nós somos autênticos, somos transformados por uma experiência que vem de nós, mas não é nossa!

A nossa vida exterior é então um puro reflexo da vida interior que desponta em nós.

A meditação, não é um objecto que temos à mão quando queremos, assim como um copo, não! Assim não funciona. Meditação é uma transformação interior profunda e muito intensa.

Como nos apercebemos dessa transformação? Os efeitos manifestam-se a cada momento nos nossos actos, nos relacionamentos, na maneira de encararmos a vida.

Estamos a tentar possuir alguém? Estamos violentos e revoltados? Se estamos a dominar ou a possuir alguém, estamos a ser violentos. Como é que se pode fazer isso? O amor não pode dominar ou possuir a ninguém.

Assim, seja o que for que se esteja a fazer, deve-se observar, fazer de cada acto uma meditação perfeitamente consciente. Em cada acto deve estar presente o sabor da última conquista interior. Muito cedo vamos começar a sentir a mudança. Não há mais posse nos relacionamentos. Pouco a pouco a possibilidade desaparece.
E quando a possessibilidade não está mais presente, o relacionamento passa a ter uma beleza própria, toda especial. Quando existe possessibilidade, tudo se torna sujo, feio, desumano. Mas somos de tal forma enganadores, que não olhamos para nós mesmos nos nossos relacionamentos – porque então a nossa verdadeira face pode ser observada. Assim, fechamos os olhos aos nossos relacionamentos e remetemos as nossas experiências espirituais somente para os momentos da meditação e dizemos:”Foi tão bom!!!” e despedi mo-nos delas como se a experiência fosse pertença do tempo ou do local – que mediocridade meu Deus! – Não deixamos que as experiências perfumem os nossos dias, não deixamos que elas interfiram nos nossos relacionamentos, no dia-a-dia, criamos assim uma maior acentuação da nossa já grande dualidade interior e exterior, criamos a cara do meditante e santinho em “part-time” e recolocamos a cara feia de todos os dias, tornando-a até ainda mais falsa e vazia.

      Temos que deixar que a meditação invada o nosso “território privado”, a nossa vida totalmente. Como podemos pretender que algo de sublime nos toque, se estamos fechados a tudo e permanecemos os mesmos? Devemos criar condições para que se quebre a barreira do EGO. Sempre que algo é feito para tocar o EGO das pessoas, cai o “CARMO E A TRINDADE”, ainda por cima dizemos com aquele acentuado” sotaque” de ignorantes: “ Estão a ser injustos comigo? NÃO CONCORDO COM ISSO!!! “ que tristeza ! Perde-se assim mais uma oportunidade de estar calado e de ver a figura de parvo e de ignorante que o nosso amado EGO está fazendo! Queremos eliminar o nosso EGO, mas sempre que ele se mostra, aí já não é connosco.

      Deixemo-nos destas peças teatrais “ de faca e alguidar” e quebremos mesmo o nosso Ego e será um paraíso para nós.

      Antes que conquistemos a mente e o EGO, temos que sentir a nossa transformação internamos nossos relacionamentos externos e então, a experiência vai poder ir mais profundo em nós. Então vamos começar a sentir algo de muito profundo no nosso interior. Mas nós temos uma atitude fixa a respeito de nós mesmos. Nós não queremos olhar dentro dos nossos relacionamentos de forma alguma, porque então surge a face nua.

      O nosso relacionamento é o único espelho. Penetremos dentro dos nossos relacionamentos, e verifiquemos neles se a nossa meditação está progredindo ou não.

  Se sentirmos um crescente amor, um amor incondicional, se sentimos compaixão sem causa definida, se sentirmos um profundo interesse pela felicidade de cada ser vivo e pelo bem-estar de todos, a nossa meditação está crescendo, progredindo. Esqueçamos então, todas as outras coisas relacionadas connosco mesmos.

  Ficaremos mais silenciosos, mais amorosos, menos barulhentos por dentro. Nós devemos ser um canal por onde se manifeste o amor, o silêncio sábio. “ Preocupe- mo-nos “ pois, com a meditação, com a modificação dos nossos relacionamentos, com o nosso silêncio, com essas coisas e o florescimento acontecerá.

Não devemos querer o falso, o facilmente imaginável, pois imaginar é fácil, e criar com a imaginação também é fácil. Devemos querer o autêntico, aquele que corre dentro.

Leva tempo para que uma flor real floresça no nosso jardim. Exige paciência, esforço, e além disso nada é certo. A flor poderá mostrar suas pétalas, como também poderá não florir. É fácil comprar ou pedir emprestada uma rosa, mas então ela não é a nossa rosa. Parece que ela veio do nosso jardim, mas não foi lá que ela cresceu, floresceu. Quando compramos uma flor, ela não tem raízes dentro de nós; está apenas na nossa mão. Não foi uma partícula do nosso ser. Nunca tivemos que esperar para que ela florescesse, não a regamos todos os dias, não precisamos ser pacientes. Não veio de nós. Nós a compramos. Ela está aí, mas como um elemento estranho em nós, não um crescimento de dentro.

Mas há pessoas ainda mais espertas. Compram uma flor artificial, porque dura mais. Uma flor verdadeira murcha. Ao fim do dia ela já não existe. Portanto: compram uma artificial! É mais económico, menos trabalhoso, dura mais!

Mas, estão-se enganando a si próprios. O crescimento verdadeiro necessita de tempo, paciência, trabalho.

Crescimento imaginativo é imitação!

Não pensemos que o que fizermos agora somente virá no futuro, não! Se o que estivermos a fazer for real, verdadeiro, com todo o ser, os resultados aparecem aqui agora. No trabalho interno, se meditarmos hoje, os resultados não vão vir somente no futuro, amanhã. Se meditamos hoje, o perfume da nossa meditação, por menor que seja, estará presente.

Sempre que algo real, verdadeiro for feito, afecta-nos aqui e agora.

Se não nos modificarmos agora, não pensemos que será no futuro, isso é uma ilusão! Para a sabedoria surgir, é preciso também, que sejamos sensíveis.

Se estivermos atentos, e formos sensíveis, algo vai mudar, e todos nós somos sensíveis, pois se o não fossemos estaríamos mortos.

Que o amor seja a tónica da nossa vida!

Muito Amor para todos.   

Um abraço
maria